0
Monument Valley: ponto de vista
Por Leonardo Teixeira às 11:25h - 05/04/14

Introdução

Vivemos em um momento do mercado em que jogos lançados para dispositivos móveis garantiram um espaço próprio, e batem de igual para igual com muito lançamento de grande porte. Junto com BioShock Infinite, Device 6 foi para mim o melhor uso de trilha original em um game no ano passado, e já discuti em outra ocasião como Clumsy Ninja faz mais para o público infantil do que a própria Nintendo. Talvez, então, não deveria haver surpresa quando começo este review dizendo que Monument Valley, criado pela Ustwo Games, talvez seja a melhor adaptação de uma obra aos videogames que eu já tive o prazer de jogar.

Cubo m?gico

O objetivo do time foi dar ao jogador a sensação de andar pelas escadarias e corredores dos quadros de M.C. Escher, popular artista da ilusão de ótica. Mas Monument Valley vai além: ao tentar capturar as surpresas puramente visuais do trabalho original, a Ustwo Games se deu ao trabalho de também incluir um elemento inesperado por trás de cada nova interação.

Vamos por partes: em Monument Valley, o jogador precisa atravessar uma diversidade de áreas dispostas como um conjunto de dioramas tridimensionais no controle da Princesa Ida. Para realizar o feito, é preciso mover e girar peças dos belos cenários 3D para criar pontes e passagens para a pequenina: às vezes, o percurso descreve uma passagem normal, mas em muitos casos, peças precisam completar um caminho bidimensional para que a princesa possa progredir. Perspectiva é a chave do jogo, e todos os testes servem para motivar o usuário a pensar tanto no espaço 3D quanto 2D.

Mas Monument Valley não se prende apenas ao tema do que busca adaptar. Mais para frente na aventura (que compreende 10 fases com mais de uma área cada) o jogo começa a introduzir obstáculos no formato de homens-corvos, que andam em uma linha reta e impedem o progresso do jogador em corredores. Ainda mais para a frente, fases começam a introduzí-los não mais como empecilhos, mas ferramentas para o progresso. Perspectiva a´te vira a vilã em um dado momento. Nada se mantém exatamente o mesmo no mundo de Monument Valley, e isso cria um título que continuam novo no decorrer da breve campanha, sem nunca trair seu objetivo principal. 

Monument Valley n?o se prende apenas ao tema do que busca adaptar.

Abra-te, S?samo

Surpresa é o maior trunfo de Monument Valley, e é bom que o time tenha-o usado continuamente, porque o game não é exatamente dos mais desafiadores. Nossa primeira barreira mental com o título foi apenas na fase IX. Isto, entretanto, está longe de ser um problema de fato, pois o ritmo de progresso de Monument Valley acaba de qualquer maneira criando interesse o bastante para prender o jogador mesmo quando a solução de muitas das fases seja fácil.

A pequena jóia da Ustwo Games é exatamente o tipo de jogo perfeito para jogar no ônibus ou metrô - ele junta regras de jogo tão diretas quanto Bejeweled, evita exposição textual demasiada (e até mesmo um tutorial), e é de uma beleza artística cativante. Sua paleta de cores chapadas e vibrantes, combinada aos personagens de desenho adorável, podem parecer distantes do material de Escher, mas cabem muito bem em um jogo de celulares. Some isso a uma música ambiente mínima, mas que responde a cada toque na tela, além de sutis e elegantes dicas visuais, e você tem um companheiro perfeito para os momentos sem graça do dia-a-dia. E vale lembrar: o jogo está todo localizado para o português.

Monument Valley é marginalmente pior se seu aparelho de opção é um iPhone, e não um iPad. Interagir com as peças móveis pode ser um problema na tela menor, aliviado pelo fato de que o jogo não exige muita precisão e encaixa automaticamente as seções quando há um ponto válido de intersecção, mas ainda é presente. Em alguns momentos - especialmente quando você tem que arrastar plataformas - algumas das peças são pequenas o bastante para sumir sob o seu dedo. Nada disso, acredite, torna a experiência injogável, mas é um pouco inconveniente. O jogo tem lançamento previsto para Android, e imaginamos que Monument Valley se sinta mais em casa em celulares com opção de telas maiores.

O game junta regras de jogo t?o diretas quanto Bejeweled, evita exposi??o textual demasiada, e ? de uma beleza art?stica cativante.

Divulga??o

Veredicto

Monument Valley não é uma adaptação excelente porque entende o material de origem, mas porque captura a sensação de se olhar para uma das serpenteantes construções de Escher e a transmite para algo que, em muitos sentidos, é completamente novo. Monument Valley, assim como a princesa que cruza seus corredores, é claramente apaixonado pela descoberta, e é difícil não ficar contagiado com as soluções engenhosas do título, que mais parecem truque de mágica. É um game sobre ver mais do que está na tela, e, ao transformar esse espírito em um sistema de jogo concisso e instigante, mesmo que não muito desafiador, a Ustwo Games criou uma obra de arte memorável.

9 .5
PONTOS FORTES
  • Dire??o art?stica bem pontuada
  • Jogabilidade direta e criativa
  • Evita excessos que impe?am progresso
PONTOS FRACOS
  • N?o funciona assim t?o bem no iPhone