0
Razer Tiamat 7.1: Promessa ? divida
Por Felipe Santana Felix às 12:35h - 02/07/14

Introdução

A melhor maneira de analisar um headset como o Razer Tiamat 7.1 é sendo franco, direto ao ponto. Como em um relacionamento. As primeiras impressões são fantásticas, o equipamento tem tudo o que se espera dele - até o valor salgado - e definitivamente pode ser utilizado para outras coisas além do jogar. Mas, é claro que, como qualquer coisa na vida, tudo tem seu lado bom e ruim. Por isso, vamos aos detalhes.

? som de peso

Levar o Tiamat para qualquer lugar não é impossível, mas é uma tarefa complexa. O equipamento é grande, pesado e ocupa muito espaço se levado em conta o tamanho do fio que vai do headset, passa pela estação de mixagem e termina com o USB e cinco conectores de áudio. Tudo isso gera um volume exagerado em cima da mesa e ter que arrumar a bagunça em todo "leva e traz" é uma prova de coragem, valentia e paciência.

Como mencionado, o Tiamat é pesado e, a primeira vista, o headset aparenta dar torcicolos. Engano. O Tiamat, na cabeça, não pesa mais que qualquer outro headset surround real, e é extremamente confortável. O ajuste ao côco não é feito por um regulador manual e sim por uma faixa flexivel, que fornece comodidade ao usuário. Os copos acústico também são fora de série, feitos de espuma e revestidos com corino, e abafam muito bem sons externos, além de isolar quase que perfeitamente o áudio produzido pelos dez monos do equipamento.

Monos estes que, dentro do sistema surround, têm um desempenho perfeito com qualquer tipo de jogo - ou até de áudio. Joguei, Transistor - que possui uma maravilhosa trilha sonora com jazz e blues -, Metro: Last Light, DmC - Devil May Cry, League of Legends e HearthStone. Escutei Ba-Boom, Tropikillaz, MC Guime e vi Porta dos Fundos. Dos diálogos do canal de comédia até os tiros no metro apocaliptico, tudo soou claro e limpo. A qualidade do áudio no Tiamat 7.1 é sim excelente.

Joguei, Transistor - que possui uma maravilhosa trilha sonora com jazz e blues -, Metro Last Light, DmC: Devil May Cry, League of Legends e Hearthstone. Escutei Ba-Boom, Tropikillaz, MC Guime e vi Porta dos Fundos

Interfer?ncia na frequ?ncia

Entre todos os elementos do periférico, o único a aparentar não estar na mesma frequência do resto, em design e função, é o microfone. A peça fica escondida na lateral esquerda de um dos copos. Com três juntas, pouco maleaveis, o ajuste adequado do equipamento só é possível para pessoas com a boca na altura do pescoço ou no queixo. O resultado deste problema de design é um microfone que não capta de maneira adequada a voz do jogador. Para resolver o problema basta modificar a sensibilidade do microfone direto na estação de controle do Tiamat. Entretanto,  este aumento resulta em maior captação de sons, ou seja, a quantidade de ruidos captados pode ser maior do que o convencional e isso pode  atrapalhar seus companheiros de jogo.

Como se a construção da peça ja não fosse o suficientemente ruim por ser rígida, ela aparenta ser pobre. É um tanto bizarro ter um equipamento tão bom como o Tiamat 7.1 e um microfone extremamente pobre que usa um polímero maleável apenas como item de boticário.

? um tanto bizarro ter um equipamento t?o bom como o Tiamat 7.1 e um microfone extremamente pobre que usa um pol?mero male?vel apenas como item de botic?rio.

Pr?xima parada, esta??o de controle

O equipamento da Razer possui uma estação de controle com funções de regulagem individual, por região, dos monos e da sensibilidade do microfone. Tudo funciona muito bem e a parada é bem bonita, com indicadores luminosos em verde e botões em polímero sólido preto. O único problema da "central de comando" é o espaço ocupado, com a grossura de um Moleskine e o tamanho de um iPhone, ele parece um pequeno trambolho em cima da mesa.

Aqui vale observar que boa parte dos controles para headsets são grandes, principalmente o de equipamentos que apenas emulam o surround. Estes precisam de uma placa para simular a profundidade do som e, por isso, são geralmente maiores que o do Tiamat.

Veredicto

O Tiamat 7,1 é um equipamento completo para jogadores de PC. Em qualquer tipo de jogo o headset da Razer entrega um áudio claro e limpo que com certeza irá favorecer seu dono dentro da partida, principalmente em jogos de tiro. O fato do microfone ser o ponto fraco do equipamento compromete pouco seu desempenho geral, já que a estação de controle consegue contornar o problema de forma aceitável.

Recomendo o Tiamat para aqueles jogadores já acostumados a um bom headset stereo e que querem dar um passo a diante com a qualidade do surround. Além de um desempenho muito bom o equipamento é extremamente fácil de ser manipulado. Encontrar uma configuração ideal ao seu gosto será uma tarefa de alguns minutos.

Atualmente o equipamento custa cerca de R$ 800, um absurdo se levarmos em consideração o valor de US$ 189 nos Estados Unidos. Então se você se encaixa no perfil de comprador mencionado o ideal é apelar aquele parente ou amigo que vai viajar ao exterior. Caso dinheiro não seja o seu problema, R$ 800 no Tiamat 7.1 é um custo beneficio melhor do que outros produtos vendidos no Brasil, até mesmo em relação a outros equipamentos da própria Razer.

*Não deixe de ler nossa política de review

8
PONTOS FORTES
  • Estrutura muito bem constru?da
  • ?udio excelente
  • Controle de fun??es funciona na medida certa
PONTOS FRACOS
  • Microfone mal desenhado
  • Pesado e espa?oso