0
Valiant Hearts: aos meus caros amigos
Por Marcos Candido às 15:55h - 07/07/14

Introdução

Valiant Hearts: The Great War, lançamento da Ubisoft para o meio do ano, é mais um jogo criado sobre a ferramente artística UbiArt e caminha de forma consistente pelas trincheiras da Primeira Guerra Mundial. O título é um poderoso lembrete sobre o impacto do já centenário episódio da História. O resultado é um game belíssimo e simples que, assim como um postal antigo, nos faz relembrar o peso de nossos próprios erros. 

Remetente

Caro leitor, antes de tudo uma observação: Valiant Hearts não é um jogo de guerra, mas sim um jogo sobre a guerra, conforme seus próprios criadores defendem em uma série de vídeos promocionais. De fato, no novo jogo da Ubisoft, o conflito não é um pano de fundo para algum super herói de farda; ele é um agente ativo da trama e explode violentamente nas relações humanas que o jogo constrói no decorrer da experiência. 

É uma questão comunicada até nas mais simples decisões audiovisuais: a onipresença da artilharia emudece os combatentes e todas as palavras soam como resmungos. A comunicação parece ter estilhaçado no campo de batalha. As palavras mesmo, só aparecem quando os personagens, papel e caneta nas mãos, escrevem a seus familiares distantes, separados pelas trincheiras da Primeira Guerra Mundial.

É assim que Valiant Hearts tece uma narrativa em que a memória de um conflito sem vilões é contada inteiramente por suas vítimas. O jogador se vê como um expectador acompanhando diferentes capítulos, narrações e fatos históricos das vidas entrelaçadas de Karl, Emile, Freddie, Ana e do cão Walt, pegos de uma forma ou de outra no fogo cruzado. Mais do que competente, o trabalho de construção de cada herói em Valiant Hearts capta sentimentos de soldados reais sem uma exaltação exagerada de feitos, mas também sem um olhar de pena.

Atrav?s de seus personagens, Valiant Hearts: The Great War tece uma narrativa tr?gica, em que a mem?ria de um conflito sem vil?es revela suas verdadeiras v?timas

Selo postal

Quem é o vilão e quem é o mocinho em um guerra? É uma pergunta difícil, ainda mais pelo tema abordado, mas Valiant Hearts é inteligente ao não apontar dedos. Ações boas e ruins são tomadas por exércitos diferentes, o que consegue equilibrar moralmente o papel de cada lado no conflito. O game está mais interessado em traçar a evolução verídica da Grande Guerra e demonstrar as consequências gradativas que a exposição à batalha causa em seus personagens.

Um dos recursos mais eficientes de Valiant Hearts é ter acesso ao menu com fatos históricos, fotos, cartas reais utilizados durante o conflito. O game também espalha artefatos que podem ser coletatos pelo cenário, como capacetes, bijoterias, medalhas e outros itens que contam características cotidianas da época e localizam a vida em sociedade antes e depois da guerra. Este trabalho de pesquisa da equipe da Ubisoft mostra o esforço de seus produtores em transformar o jogo em uma fonte de consulta participativa de conhecimento histórico.

Apesar do cuidado, a trama escorrega ao dar à Alemanha um quê de vilanismo, embora isto seja logo suprido pela participação de figuras alemãs mais humanizadas, como o personagem Karl. No fim das contas, a narrativa consegue equilibrar emoção e perspectiva histórica.

A Primeira Guerra n?o possui a mesma teatralidade inimiga da Segunda Mundial. Como definir o mocinho e o inimigo?

Entregar em m?os

Valiant Hearts também levanta uma discussão sobre a análise de games. O que pesa mais: um roteiro inteiramente baseado em seus personagens e história, ou desafios que proporcionem um bom jogo? De fato, Valiant Hearts não apresenta nenhum obstáculo significativo ao jogador. Há um catálogo padrão de puzzles que se tornam repetitivos e são extremamente intuitivos. Trazer o cachorro Walt para cumprir tarefas conjuntas ajuda a utilizar a profundidade de sua estrutura em 2D de forma agradável, além de flexibilizar o cumprimento de tarefas

Cada capítulo ganha mais fôlego com perseguições de carros e ataques com tanques de guerra, mas a todo momento o game parece querer que o jogador avance de forma suave pela história.

O pequeno número de sistemas de jogo apenas salienta as personalidades distintas - como a ação do bravo soldado Freddie, e os delicados procedimentos cirúrgicos da enfermeira Ana. Afinal, a jogabilidade de Valiant Hearts parece ter sido criada para reforçar a narrativa e não criar um ritmo baseado em puro desafio. O game serve como um convite para um evento do qual o jogador deve participar, e não uma festa em que ele é o anfitrião.

A jogabilidade d? impress?o de que o game serve como um convite para um evento do qual o jogador deve participar, e n?o uma festa em que ele ser? o anfitri?o

Post Scriptum

A estrutura em 2D e os traços cartunescos de Valiant Hearts trazem uma aura nostálgica, transportando o jogador para as antigas histórias ilustradas e até para os games da infância. A ferramenta UbiArt, também utilizada em Child of Light, transporta a densidade de um quadrinho europeu com uma leveza que minimiza a crueldade da guerra.

Além de belo, o cenário tem o poder de contar histórias. Os efeitos de profundidade, assim como a exibição de diferentes camadas de cenário, resumem para o jogador a noção visual de uma trincheira e as locações subterrâneas da Primeira Guerra. Cada pequeno acessório é capaz de fornecer especificidades dos pelotões e diferenciá-los uns dos outros. Não há nada em segundo plano que não esteja lá por um bom motivo.

Al?m de belo, o cen?rio tem o poder de contar hist?rias.

Veredicto

Valiant Hearts é encantador. Mais do que isso, é um título necessário para salientar a importância dos games como forma de arte e comunicação cultural. Apesar de possuir um estilo de jogo bastante simples, a leveza de sua direção artística, assim como a densidade de seu tema e personagens, questionam a banalização da guerra industrializada no universo dos games por meio de heróis truculentos e histórias simplistas. Eu não chorei, mas foi quase.

*Não deixe de ler nossa política de review

9
PONTOS FORTES
  • Contextualiza??o hist?rica
  • Personagens marcantes
  • Trama bem realizada
  • Visual encantador
  • Boas solu??es de ?udio
PONTOS FRACOS
  • Pouca dificuldade